Em todos os grupos e blogs em que eu participo as pessoas sempre me perguntam se vale a pena largar tudo para viver o sonho australiano. Sempre que eu vejo essa pergunta muitas coisas passam pela a minha cabeça: a vida que eu tinha no Brasil, o dinheiro que eu gastei, as minhas dificuldades no começo de vida na Austrália, familiares e amigos que ficaram, tudo o que eu aprendi vi e vivi aqui. Confesso que nos momentos difíceis eu me pego pensando que não valeu a pena, que eu fui uma idiota de ter largado a minha vida estável no Brasil para me aventurar do outro lado do mundo, no lugar mais longe de casa que eu pude escolher para aprender inglês….

Eu vou explicar um pouco sobre a minha vida no Brasil, para vocês entenderem como que eu vim parar na Austrália. Eu já não morava mais com a minha mãe, estava morando com o meu namorado, agora meu atual marido, em uma cidade pequena no interior de São Paulo. Trabalhava em uma franquia como coordenara administrativa, tinha um trabalho estável do qual era reconhecida pela a minha atuação. Porém, por diversos fatores, nós começamos a pensar na possibilidade de morar fora por um tempo, para podermos aprimorar o inglês e fazer uma pós-graduação, esperando termos melhores oportunidades de emprego quando voltássemos ao Brasil. Ainda me lembro como tivesse sido ontem, a nossa conversa enquanto limpávamos a casa, sobre fugir daquele lugar e a Austrália foi a primeira e única opção que veio em nossa cabeça. Como eu já havia trabalhado com intercâmbio antes eu sabia que a Austrália tinha ótimas opções de cursos inglês, o clima era parecido com o do Brasil e que é possível trabalhar enquanto estuda. Depois desta conversa eu estava na Austrália em menos de seis meses.

No começo, como todo começo, não foi fácil. Mesmo tendo um nível de inglês intermediário eu tinha dificuldade de entender o que os australianos falavam; o meu primeiro emprego ganhava apenas 12 dólares por hora (o mínimo por lei é 16) e o meu chefe era grosso; era inverno e eu passava muito frio voltando da escola a noite; tinha a pressão de juntar dinheiro para renovar o meu visto; e eu sentia tantas saudades da minha família, que sonhava que estava voltando para casa toda a semana.

Com o passar do tempo eu fui me adaptando: achei um emprego melhor, comecei a dominar um pouco mais o inglês, comecei a falar mais frequentemente com a minha família no Brasil e o verão foi chegando.

Hoje em dia eu dia eu olho para trás e me orgulho de tudo o que eu passei aqui. Conheci lugares incríveis, belezas diferentes que só existem neste país, meu inglês avançou muito desde quando eu cheguei, conheci amigas que eu terei por resto da minha vida (duas principalmente pois foram minhas madrinhas de casamento), cresci como pessoa e ao mesmo tempo sem deixar de ser quem eu sempre fui, aprendi o valor de pessoas próximas e da minha família e graças a ajuda de muitas pessoas estou realizando o meu sonho de fazer uma pós-graduação no exterior.

Todo o processo não foi fácil (mas quem disse que a vida é fácil?!), gastei muito dinheiro e saúde emocional, mas vale a pena. Eu não acredito que temos que largar tudo no Brasil, mas apenas dar uma pausa na nossa vida cômoda, para conhecer um pouco do mundo e ao mesmo tempo se autodescobrir. Se você está na dúvida entre fazer um intercâmbio ou não, lembre que as coisas mais importantes que você tem, estarão no mesmo lugar quando você voltar: sua família e amigos. Além disso, você irá voltar com uma bagagem cheia de aprendizados e descobertas, que nem irá sentir falta do carro e emprego que deixou quando embarcou para viver a aventura que iria mudar a sua vida.